Boletim quinzenal do NEWGroup – edição de 30 de maio de 2014

Nota: O post da semana “As 10 principais objeções à redução da jornada de trabalho para 21 horas semanais” e a pesquisa estão publicados em seguida ao boletim.

a nova economia, hoje                                                                              

Grupo dos 1% está representado, também, nas Universidades Públicas

Caro amigo,

O desafio do nosso tempo é o de educar os nossos filhos e nós mesmos nos valores e habilidades necessárias para a transição para uma nova economia que redefina as nossas relações uns com os outros e a natureza. No entanto, existem muitas barreiras para este desafio num momento em que o nosso sistema de educação está se tornando cada vez mais corporativo e impulsionado pelo lucro e não pelos interesses mais amplos de pessoas e do planeta.

Um novo relatório do IPS, “The One Percent at State U“, fornece um vislumbre de como o modelo corporativo está influenciando universidades públicas. O relatório aponta para o aumento das desigualdades dentro dessas universidades, com altos executivos extremamente bem remunerados, combinado com níveis exorbitantes na dívida dos estudantes e professores com baixos salários. Como observado no The New York Times, os nossos resultados sugerem que estas tendências estão intimamente relacionadas e devem ser tratadas em conjunto. (Abaixo estão as principais conclusões do relatório e um infográfico.)

Como meus colegas apontaram, os conselhos de curadores das universidades – que estabelecem os pacotes de remuneração dos seus presidentes – são, comumente, formados por executivos de empresas. E dado que a remuneração dos executivos do setor privado subiu a níveis astronômicos, esses curadores estão cada vez mais fora de contato com noções de compensação razoável. De acordo com o Conselho Americano de Educação, quase um terço dos reitores de universidades nunca foram professores e muitos têm origem empresarial.

Este corporativismo inevitavelmente afeta a qualidade e a substância do ensino superior. Professores adjuntos  e contingentes têm baixo salários e menos tempo para gastar com os alunos. E, alunos sujeitos a enormes dívidas têm menos flexibilidade para seguir carreiras que sirvam à necessidades sociais e ambientais. E com tantos líderes universitários saídos do setor com fins lucrativos e focados em ganhos de curto prazo, é difícil ter confiança de que serão capazes de promover a transformação educacional necessária para enfrentar os desafios de um planeta em aquecimento.

Estamos encorajados pela atenção que este novo relatório recebeu e espero que possa ajudar a galvanizar a necessária pressão para garantir que nossas universidades públicas estejam verdadeiramente servindo ao bem comum.

Cordialmente,

Noel Ortega
Coordenador do NEWGroup

O um por cento nas universidades públicas

Um por cento no estado de U Relatório Capa

Principais conclusões:

  • A crise da dívida dos alunos é pior nas universidades públicas com presidentes mais bem pagos. O maior aumento na dívida estudantil nas 25 principais universidade públicas ocorreu quando a remuneração dos executivos mais subiu.
  • À medida que os estudantes se endividaram mais, as despesas administrativas ultrapassaram o gastos com bolsa em mais de 2 por 1 em universidades públicas com os executivos mais bem pagos.
  • Nas universidades públicas com os presidentes mais bem pagos, o corpo docente adjunto em tempo parcial aumentou 22 por cento mais rapidamente do que a média nacional de todas as universidades.
  • Nas universidades públicas com os presidentes mais bem pagos, o corpo docente permanente diminuiu drasticamente em relação ao total de professores. No outono de 2009, o corpo docente de adjuntos e contingentes das principais 25 universidades públicas superou, pela primeira vez, o dos permanentes.
  • A média de salários dos executivos das principais 25 universidades públicas subiu para quase US 1 milhão em 2012 – aumentando mais do que duas vezes mais rapidamente que a média nacional em universidades públicas de pesquisa.

Por Andrew Erwin e Marjorie Madeira

leia mais

O 1% nas Universidades Públicas  – infográfico.

Um por cento State University Infográfico

Dados extraídos de “The One Percent at State U“. Elaborado por Leslie Garvey.

veja o infográfico completo

A Economia Cooperativa: Uma Conversa com Gar Alperovitz

Gar Alperovitz“Da mudança climática a um nível de riqueza com disparidade medieval, o que enfrentamos neste país não é mais uma crise de regulação”, diz Alperovitz. “Estamos diante de uma crise sistêmica.”

Publicado na revista Orion magazine.

leia mais

A contradição central do capitalismo que Piketty negligenciou

Logotipo Jamaica Plain“… Típico de economistas ortodoxos de todas as tendências políticas, Piketty ignorou a verdadeira contradição do capitalismo (e do socialismo, também), que é o pressuposto de que o crescimento exponencial pode continuar para sempre em um planeta finito.”

Por John Fullerton, Instituto Capital

leia mais

Piketty no Elyseu

Vanderbilt MansionSe a desigualdade vende em livrarias e bilheterias, vai vender também nas urnas.

Por John Feffer

leia mais

O NEWGroup – New Economy Working Group é uma iniciativa conjunta do IPS – Institute for Policies Study, que o coordena, do YES magazine, da DC – The Democracy Collaborative, da NEC – New Economy Coalition, do ILSR – Institute for Local Self-Reliance e do Living Economies Forum.
O texto original e os links do texto traduzido estão em inglês.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: