Luz dissolve tese da USP

  1. Utilize a central de comentários para as suas críticas, sugestões e observações. Mais do que bem vindos, os seus comentários ajudam a melhorar e aprofundar o conteúdo deste blog.
  2. Para ler notícias relacionadas à Nova Economia, acesse o link à direita.
  3. A Pesquisa da Semana é sobre o tema tratado no post e está apresentada em seguida a ele.

'Blocos de gelo caindo no Glaciar Perito Moreno - Parque Nacional Los Glaciares - Patagônia - Argentina' photo (c) 2007, CasalMALY - license: http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/Levei um susto com a divulgação em 29 de setembro último pela Agência USP de Notícias de uma matéria intitulada “Existência do aquecimento global é questionada em pesquisa” sobre a tese de doutorado: “Quando o Sol brilha, eles fogem para a sombra…”: a ideologia do aquecimento global. O título da matéria é até suave frente à incrível e principal “conclusão” da tese: “a hipótese do aquecimento global constitui a maior fraude científica e social de nosso tempo”.

Bem, fui verificar o fundamento do questionamento, resultado de extenso trabalho de uma pesquisadora do Departamento de Geografia de uma das melhores universidades do país, orientada por um doutor do mesmo departamento e aprovado por uma banca com outros 4 examinadores, todos doutores.

Para tanto, passei por uma “pegadinha” de mau gosto já que a autora deixa de fazer um resumo informando no capítulo de abertura que sente “muito em frustrá-lo e aconselhamos a repensar” o uso de resumos. “Por favor, leia o trabalho completo. Inicie a leitura na página 1, obedeça ao movimento da esquerda para a direita e de cima para baixo e leve o tempo necessário para segui-la até o fim, na página 521”. Fui portanto obrigado a ler a coisa toda, na verdade, 557 páginas.

O resultado é que posso informar que o fundamento é nenhum e, o que é mais preocupante, a universidade, o departamento, o orientador e a banca deram respaldo a um trabalho que nada tem de original e não trouxe sequer uma contribuição para o tema, contrariando uma exigência óbvia de inovação em teses de doutorado. É, a USP não faz mais do que seguir o triste papel da maioria de nossas instituições. Enfim …

Em prol do leitor, apresento em anexo os os meus comentários, capítulo a capítulo. Em síntese, constatei que o trabalho é composto por três partes principais devidamente desconexas:

  1. A transcrição durante 4 longos capítulos de textos já conhecidos de geografia.

  2. Um ataque irresponsável, em 5 capítulos, ao IPCC, aos pesquisadores de todo o mundo que colaboram voluntariamente com a organização e aos, coitados, modelos matemáticos, enfeitiçadores.

  3. E a conclusão, do nada, em 2 capítulos, de que a tese do aquecimento global é resultado de uma trama sinistra dos que querem perpetuar a ideologia capitalista, quando a verdade é exatamente o oposto.

Bem, não foi desta vez que o bombardeamento às evidências do aquecimento global vingou. Além do mais, recente estudo do Berkeley Earth Project confirma-o e responde diretamente às alegações mais competentes dos céticos.

“Nossa maior surpresa foi que os novos resultados concordam com os valores de aquecimento publicados anteriormente por outras equipes nos Estados Unidos e Grã-Bretanha”, afirmou o professor Richard Muller, que estabeleceu o Berkeley Earth Project na Universidade da Califórnia reunindo dez cientistas renomados.

“Isto confirma que estes estudos foram feitos cuidadosamente e que o potencial de (estudos) tendenciosos, identificados pelos céticos em relação ao aquecimento global, não afetam seriamente as conclusões”, acrescentou.

O grupo de cientistas também relata que, apesar de o efeito de aumento de calor perto de cidades – o chamado efeito ilha de calor urbano – ser real e já ter sido estabelecido, ele não é o responsável pelo aquecimento registrado pela maioria das estações climáticas no mundo todo.

O irônico desta estória, é que após a leitura de toda a tese (?) da USP não descobri a resposta à pergunta implícita no título: Quem foge para a sombra? Mas, em compensação, descobri que com um pouco de luz ela se dissolve.

Intrigante, também, é que logo na abertura da sua tese a autora transcreve um e-mail informando que os 3 trabalhos submetidos por ela à 3ª Conferência Regional sobre Mudanças Globais: América do Sul, na mesma linha da tese, foram rejeitados pelo comitê cientifico por falta de fundamentação cientifica. 5 doutores ignoraram este aviso e assinaram embaixo de um trabalho que tem nenhuma, também. E com isto, além de não preservarem a pesquisadora em formação, comprometeram o nome do departamento e da instituição.

Termino sugerindo que você, leitor, participe da pesquisa relacionada ao tema, no post que se segue.

Anúncios

Uma resposta to “Luz dissolve tese da USP”

  1. Christopher Says:

    Utilize a a central de comentários, no menu principal.


Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: