A Economia Solidária

A proposta da economia solidária tem importantes afinidades com o movimento pela Nova Economia. Destaco na entrevista de Paul Singer a afirmação de que aos poucos, muita gente tem optado pela economia solidária, porque trata-se não apenas de melhoria na renda, mas de uma relação de trabalho mais humana, que leva em conta a felicidade pessoal. Este movimento tem ajudado a dinamizar as economias locais, garantir trabalho digno e renda às famílias envolvidas, e promover a preservação ambiental e a conscientização sobre o consumo responsável.

O movimento, no Brasil, iniciou-se nos anos 80 e está hoje bastante difundido. O último mapeamento localizou 22 mil empreendimentos no setor. O número hoje deve ser significativamente maior pois o mapeamento foi feito em 2007 e abrangeu apenas 52% dos municípios. Em 2003 organizou-se através de um fórum nacional autônomo. A ideia foi, desde então, incorporada às políticas públicas em centenas de municípios, em 18 estados e no governo federal e tornou-se objeto de ensino, pesquisa e extensão em mais de 100 universidades em todas as regiões do Brasil.

A marca da economia solidária são as cooperativas, cujos donos são os próprios trabalhadores e gestores. Redes, facilitam a comercialização de produtos e serviços. São iniciativas de projetos produtivos coletivos, cooperativas populares, catadores de materiais recicláveis, redes de produção, comercialização e consumo, instituições financeiras voltadas para empreendimentos populares solidários, empresas autogestionárias, cooperativas de agricultura familiar e agroecologia e cooperativas de prestação de serviços.

Igrejas, sindicatos, universidades, entidades da sociedade civil e governos envolvidos com a economia solidária têm um papel relevante de apoio.

O Fórum Brasileiro de Economia Solidária, fundado em junho de 2003, é o coordenador nacional do movimento e não se confunde com o similar estatal, a Conselho Nacional de Economia Solidária. Seu desafio é apoiar o abastecimento e a comercialização, o uso de moeda social, promover rodadas de negócio, realizar feiras, fazer campanha de consumo consciente, comércio justo e solidário, constituir redes, cadeias produtivas, finanças solidárias e trabalhar no campo do marco legal (especialmente: lei geral do cooperativismo e cooperativa de trabalho). Dele participam entidades como Abcred, Anteag, Concrab, Ecosol, Unicafes, Unisol Brasil, Cáritas Brasileira, FASE Nacional, Ibase, IMS, PACS, Rede ITCPs e Rede Unitrabalho.

O professor Paul Singer, economista e sociólogo da USP é a principal voz do movimento em prol da economia solidária. Além de diversos trabalhos sobre o assunto, ajudou em 1998 a criar a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP e assumiu a coordenação acadêmica da incubadora. A partir de junho de 2003, passou a ser o titular da Secretaria Nacional de Economia Solidária.

Anúncios

2 Respostas to “A Economia Solidária”

  1. Christopher Says:

    Os comentários são centralizados no último post publicado.

  2. Christopher Says:

    Transposição de comentário feito na página do autor.
    Wilton Ribeiro diz:
    12 de dezembro de 2010 às 0:24 am

    Gostaria de incluir o meu texto em seu blog sobre Economia.

    Christopher diz:
    13 de dezembro de 2010 às 11:34 am
    Wilton,
    Visitei seu site http://www.wiltonribeiro.recantodasletras.com.br/. Muito interessante. Vou ainda hoje estudá-lo em mais detalhe. Pergunto-lhe o que deseja? Incluir um post sobre algo relacionado à Nova Economia? ressaltar algum texto já escrito por você ou divulgar o endereço de seu site?
    Entre hoje e amanhã vou implementar alguma solução para concentrar os comentários em um único ponto de forma a permitir que o leitor possa expressar-se referindo-se ou não a um post específico e ainda que veja com facilidade o conjunto de comentários. E também criar um local específico para divulga os sites de leitores.

    Wilton Ribeiro diz:
    13 de dezembro de 2010 às 16:34 pm

    Paterson, pretendo ressaltar o meu texto em seu site. “O CAPITALISMO DO POVO”, tem muito a ver com a Nova Economia. Leia o texto no meu site. Gostaria também que vc incluísse seus textos no site Recanto das Letras. Obrigado. Parabéns pelo seu trabalho! Wilton Ribeiro.


Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: